quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Conceição vem para trabalhar

A saturação, o desânimo e o alheamento forçado a que os adeptos azuis têem sido submetidos encontra nova esperança no novo treinador António Conceição.

Temi que a entrada seguida de férias natalícias fosse uma revisita ao modelo de Mior que após a apresentação seguiu para férias e bem que podia lá ter ficado que sempre nos poupava o tormento. Conceição concedeu o natal e em dois dias já deu claros sinais de vir para trabalhar, só por isso merece um crédito de expectativa a justificar um acolhimento em massa no próximo jogo.

Dos treinos de hora e meia que incluiam aquecimento, (má) preparação física e peladinha que chegavam a ser interrompidos por causa da chuva (!!!!) e das folgas à mão cheia, António Conceição quer tirar os vícios do corpo àqueles ditos profissionais que deviam jogar à bola. Se assim é, benvindo à nau azul e tudo de bom para António Conceição porque o Belenenses só tem a ganhar com a postura.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Feliz Natal

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

João Pereira o inimputável

Viana de Carvalho acordou tarde como é seu apanágio. Já tinha acontecido com Pacheco onde o atraso foi demolidor, agora com o incompetente João Pereira que desencantou no seu terreno estorilista de eleição, criou-nos um problema e concede-nos um natal em guerra.


Mau demais para ser verdade o que se tem passado nas últimas semanas, quando era certo que o homem não servia e mais tarde ou mais cedo o resultado teria que ser o despacho. Agora não se pode voltar atrás nos pontos perdidos.


Com a derrota em Leiria o Belenenses que não ganha fora desde 11 de Janeiro deste ano, fará mais de um ano sem ganhar, o que será o mesmo que dizer, Viana de Carvalho nunca ganhou fora para o campeonato.


Dizer que não há dinheiro é falso porque no entretanto veio a público que as modalidades amadoras andam às compras.


Fica o repto, deixem ficar o Romeu provisoriamente e logo se vê se a fibra do homem se confirma.


Este natal vai ter na mesa sonhos amargos. Obrigado presidente.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Espírito natalício

Acção de solidariedade da Fúria Azul

Conforme a solicitação deste núcleo do Belenenses, divulgo:

Como já é tradição, a Fúria Azul, grupo organizado do Clube de Futebol "Os Belenenses", organiza todos os anos durante esta época natalícia uma acção de solidariedade que tem como objectivo auxiliar instituições de solidariedade social.

Este ano decidimos fazer uma recolha de alimentos a favor da “Associação Auxílio e Amizade” que apoia familias carenciadas na cidade de Lisboa.

Neste sentido, a Fúria Azul irá realizar a respectiva recolha no próximo dia 14 de Dezembro (Segunda-Feira) no Estádio do Restelo na ocasião da partida entre o Belenenses e o Vitória de Guimarães.

Esperamos a ajuda e colaboração de todos os sócios e adeptos do Belenenses nesta acção de solidariedade a favor da “Associação Auxílio e Amizade" -
http://auxilioeamizade.fec.pt .


Até quando?


Faz hoje sete meses que Viana de Carvalho e a sua equipa foram eleitos.

Em SETE meses Viana de Carvalho conseguiu duas vitórias para o campeonato e na próxima 2ª feira quando receber o Guimarães, o Belenenses fará 113 dias sem ganhar na competição.

Viana de Carvalho está contente e tem plena confiança no treinador como se infere da entrevista que deu há um mês à Bola e aqui recupero.

Do presidente do Belenenses espera-se a ponderação e a sabedoria necessária para levar a bom porto esta nau fragilizada.

Errar é normal e ninguém esperará que as decisões sejam todas acertadas, mas a acumulação de erros, os atrasos temporais, a falta de medidas atempadas são geradoras de perturbação que desmobilizam os sócios e são contra os interesses do clube.

A sucessão de de fracassos mal explicados e contra a opinião dos consócios trará maus resultados a todos os níveis.

Foi tardia a substituição de Jaime Pacheco, como foi um erro a contratação de João Pereira, como é de lamentar a falta de pulso e pressão sobre o plantel.A cada jogo menos adeptos rumam ao Restelo com os consequentes prejuízos e desmotivação geral de sócios e atletas. Viana de Carvalho faz uma profunda reflexão em silêncio e decidiu... que afinal já tinha decidido, o que tinha decidido no dia em que contratou João Pereira pode ler-se na imprensa. Vamos ver se a gente se entende, decidir que está decidido o que foi decidido quando contratou o rapaz. O caro presidente anda a reinar connosco se decidiu que estava decidido para quê decidir? Se estava decidido para quê ponderar o que já está decidido?

Estaremos perante uma ilação razoável que João Pereira não foi um erro a sua contratação, pela avaliação reflectida (em silêncio) e com isso Viana de Carvalho coloca ponto final da contestação ao treinador João Carlos Pereira. Errado! Essa permissa só teria acolhimento se fosse o presidente estivesse numa organização ditaturial, como não está é, a bendizer, o único sócio de quem oiço (ou leio) que João Pereira é treinador para o Belenenses não havendo razão para o afastar. Colocar um ponto final na contestação não estará nas mãos do presidente a não ser que faça a vontade aos sócios.

Nas declarações a A BOLA o presidente “ revela total confiança no trabalho desenvolvido pelo técnico e acredita que no final da época o objectivo será alcançado. «Se continuarmos na senda da época anterior o clube terá os dias contados e para isso eu não servirei», alerta”. Das duas uma ou o presidente anda perturbado ou o jornalista ouve mal. Admitir “total confiança” no técnico que está a fazer o mesmo nível ou pior que na época passada e em simultâneo considerar que assim temos os dias contados quererá dizer que vamos fechar as portas? Como deixou expresso que não quer ver e não serve para isso, será que se vai embora um dia destes à semelhança do antecessor?

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Semana da lama

Rio Ave 0 Belenenses 0
Esta madrugada vi o jogo de Vila do Conde que tinha em atraso. O hábito que se instalou de iniciar o jogo a defender o resultado não permitiu que se fosse muito mais longe. A vantagem do Belenenses seria o travamento da bola no terreno, uma vez que os nossos jogadores gostam de esperar para ver onde ela vai parar antes de se deslocarem, assim nessa toada estática desequilibraria as modernas ações do jogo dinâmico. Muito pouco jogo, água com fartura e muita lama tudo expremido não dá nada.

Interrogo-me frequentemente sobre as doutrinas que os treinadores e comentadores vertem para a denominada tática. Quer-me parecer que habitualmente defendemos num 6-4-0, atacamos em 6-2-2 e contra-atacamos em 4-6-0. Raramente está alguem lá à frente para um contra-ataque e quando para lá se desloca a bola erra sempre.

Pode parecer vontade de dizer mal, mas não, apenas a constatação ditada pelos resultados, pelo mau espectáculo e falta de garra em jogo. Não considero os jogadores maus na generalidade, apenas mal incentivados e dirigidos.

Sindicato
Evangelista o tal sr que é advogado, empresário de jogadores e até presidente do sindicato, continua a ter como principal patrão incumpridor o Belenenses, à laia de ”inimigo número um” neste campeonato de “faz de conta” onde a maioria não paga a tempo e horas.

Alguma razão terá porque os compromissos são para cumprir, mas o rigor que utiliza para com o Belenenses em confronto com os restantes, começa a enojar. Se começasse por explicar aos jogadores que se dizem profissionais do espectáculo que tal como no teatro, quando os actores são maus ou representam mal o público não vai lá e não recebem, talvez ajudasse. Profissional a receber, abaixo de amador a trabalhar e a manter a ferramenta de trabalho é coisa que não entra na cabeça dos mal amados pagantes de ordenados.

Greve
Apesar de mal se ter notado que os jogadores bem industriados pelo Evangelista, ameaçaram fazer greve e não se treinaram por razões de AG, seria da mais elementar justiça questioná-los sobre a justificação da falta de trabalho e empenho. Até os mercenários cumprem com o que lhes é pedido por conta da remuneração, porque razão no Belenenses tem que ser diferente? Será que sepois de receberem vão produzir bons espectáculos e marcar os golos que omitiram?

Viana
Já li que os salários são pagos hoje, fica a faltar a troca de treinador e os resultados. Faltam mais coisas mas fica para depois.

Taça de Portugal
Pode vir o Azeméis, mas se quiser vir o Porto podemos fazer os dois jogos seguidinhos, taça e campeonato, que sempre se aproveitam os espectadores que não abundam.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Polícia do Norte acorda

PSP do Porto dá razão à Fúria Azul
CLAQUE IMPEDIDA DE ENTRAR NO DRAGÃO COM FAIXAS

O Comando Metropolitano do Porto da PSP apresentou ontem desculpas ao Belenenses por não ter permitido que a claque Fúria Azul entrasse no Dragão com as faixas, quando do jogo com o FC Porto; em comunicado, explica que a decisão, na altura, se deveu a dúvidas sobre a interpretação e a aplicabilidade da Lei 39/09 de 31 de julho.
(in record online)

Seria bom que os quadrilheiros de Lisboa cumprissem com a sua missão e à semelhança dos do norte se redimissem.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Belenenses 2 Marítimo 2

O meu estado de espírito não é bom, como não o é para a maioria dos Belenenses que gostam de futebol, portanto, ficam umas notas laterais sobre o jogo e muito pouco do jogo em si, até porque na realidade pouco de jogo se viu.

O espectáculo começou com os quadrilheiros a embirrar com a Fúria, por azar meu não quiseram embirrar comigo, provavelmente para não que ter que me aturar durante duas horas, poupando-me às cenas tristes a que se assistia no relvado.

Presença no almoço da corrida das Salésias, o Emplastro que como é de direito lá foi ao jogo e quando menos se esperava, aí vai ele até à pista com a a t-shirt da corrida e bandeira do Belenenses (a conhecida bandeira do Lu). Claro que se fosse um qualquer sócio a ter o atrevimento seria detido ou se fosse da "Fúria" arriscava-se a uma benção, mas como era o Emplastro, mandaram o homem recolher os aplausos.

Um dos quadrilheiros aproveitou para agitar a bandeira do Lu em plena pista como quem vai dizendo deixa-me dar uma voltinha também. Também não foi detido ou posto na rua.

As equipas entraram em campo e pronto o Belenenses começou a defender o empate.

Devo dizer que saí pouco depois dos 30 minutos para não voltar, por causa do frio, devido ao anti-jogo, pela falta de vontade e revoltado por ter ouvido mais de uma dúzia de aplausos para passes errados. Queixa-se João Pereira de falta de apoio, mas tem é apoio a mais, quando os sócios aplaudem passes errados. Claro que senão fosse ali teria de espreitar noutro lado porque o bichinho é mais forte e dou comigo no "Ponto de encontro" a rebentar pelas costuras.

Golo de Diakité anulado, 1-0 e expulsão do guarda-redes adversário e vem a tal aflição do "jogar para o empate" ou defender o resultado, 2-0... a falsa tranquilidade esconde os 20 minutos de sufoco até ao final. 10 minutos depois os receios intranquilizam com o 2-1 e mais 10 minutos recomeça a aflição com o 2-2... querem ver que o Marítimo ainda vai ganhar isto? ouvia-se na sala enquanto os olhos fixos na televisão iam reclamando a subida no terreno.

2-2 contra 10 e depois de estar a ganhar 2-0 não dá para acreditar, como não dá para acreditar que na primeira meia hora não tenha havido um remate à baliza.

Alguem tem que arranjar solução para a falta de treinador, porque para mim não temos faz tempo.

Nota ainda para o elevado número dos associados que saíram antes da hora e do cortejo de quadrilheiros que fez escolta a Viana de Carvalho. Não havia necessidade se ele ouvisse os sócios. Consta-se que andará a receber conselho de um benfiquista, não sei se será verdade mas com tantos conselheiros no Belenenses e sócios esclarecidos, quero crer que é boato ou a repetição daquele infeliz episódio do director do Boavista.

Vai daqui o meu conselho grátis, para o presidente e amigo, arranje um treinador quanto antes porque o caldo vai entornar.

Corrida das Salésias molhou os participantes

Decorreu este domingo a III Corrida das Salésias após um ano de interregno. Trata-se de um evento importante de convívio entre os Belenenses com espaço para todas as formas de dizer presente.

O colorido em tons de azul é uma constante ao longo do percurso e a manifestação daquela vontade de dizer "Sim, sou Belenenses!".

Não se trata de uma simples afirmação clubística de ocasião, mas a crença profunda num ideal único que se demonstra pela diferença de ser e estar contra a adversidade.

A chuva fez questão de estar presente na hora da concentração

A chegada ao Restelo já um pouco seca

O engarrafamento antes da entrada o estádio

Que crime terá havido ali para a Judiciária ter vedado o local?


A "Chouriça" mais novisca da corrida deu o seu sorriso

O Repasto no topo norte ia começar

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

III Corrida das Salésias

Faça sol ou faça chuva a minha presença é garantida neste evento da família azul que considero o maior.

Aposta patrocinada pela secção de atletismo que nos vai brindando com exemplos de organização soberba e experiência na satisfação das massas.

Mensagem/convite recebida da secção de atletismo

Estamos a menos de uma semana da «III Corrida/Caminhada das Salésias ao Restelo», integrada nas comemorações do 90º Aniversário do nosso Clube.

Esta iniciativa anual pretende proporcionar momentos de intenso convívio entre todos os sócios, adeptos e familiares e por outro lado poucas oportunidades como esta existem ao longo do ano para que os sócios, adeptos, simpatizantes, técnicos e atletas dêem o seu contributo através da presença para, em conjunto, se afirmar e demonstrar perante a opinião pública toda a grandeza e ecletismo desportivo do Clube de Futebol «Os Belenenses».

Mais que uma corrida, contra-relógio ou adversários, é uma oportunidade única de homenagem à história de «Os Belenenses», e propaganda da grandeza da nossa instituição, a começar no local que já foi palco de alguns dos grandes momentos do desporto em Portugal - o Estádio das Salésias, e terminar na mais bela sala de visitas do desporto da cidade e do país - o Estádio do Restelo!

É necessários que todos se juntem e participem par transformar este evento numa GRANDE FESTA AZUL de verdadeira confraternização e convívio, não só durante a “prova” mas também no almoço de sardinhada e churrasco, que se realiza no final, no topo norte do estádio.

Depois disso, permanecendo no Complexo Desportivo até próximo das 18h00 poderá assistir ao jogo de futebol entre Os Belenenses e Marítimo e para o qual todos os participantes na corrida/caminhada estão convidados!

Participe mas promova também a participação dos seus amigos e familiares nesta experiência única de atravessar uma das partes históricas mais bonitas de Lisboa e de Portugal.

De forma a permitir a melhor organização possível desta festa, é importante que não deixe para a última hora a sua inscrição e dos seus amigos e familiares, relembrando que estas inscrições podem ser efectuadas num dos seguintes locais:

Secretaria do Clube (de 2ª a 6ª das 10h00 às 20h00 e aos Sábados das 10h00 às 12h30)
Relações Públicas (de 2ª a 6ª das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00)
Secção de Atletismo (de 2ª a 6ª das 18h30 às 21h00).

Os preços das inscrições são:

Corrida/caminhada - 7,00 €

Almoço de confraternização no Topo Norte do Estádio - 5,00 € (criança) ou 10,00 € (adulto)
Corrida/caminhada + Almoço - 10,00 € (criança) ou 15,00 € (adulto)

Com a inscrição OFERTA de T-SHIRT da prova e CONVITE para o jogo Belenenses - Marítimo.

Caso não lhe seja possível deslocar-se ao Restelo até final da semana não deixe de reservar a sua inscrição através do email: atletismo@osbelenenses.com

Nas duas anteriores edições, a iniciativa constituiu um enorme sucesso e contou com a participação de mais de um milhar de pessoas que, do mais anónimo simpatizante às mais emblemáticas figuras da história do Clube de Futebol «Os Belenenses», formaram um «mar azul» de gente que inundou todo o trajecto entre as Salésias e o Restelo, num momento que, para muitos dos que viveram já a experiência, foi inesquecível e valeu mais que muitos golos marcados pelo Belenenses!

Não falte !!!

Importa-se de repetir? ... Sr Pereira

"O fator de termos passado a próxima eliminatória"

(João Carlos Pereira in record 23/11/2009)

sábado, 21 de novembro de 2009

Belenenses 14 Lousada 14 - Polo


Debaixo de chuva e sem abrigo realizou-se o Belenenses - Lousada em polo aquático. Quer a bancada sem cobertura impermeável, quer o espaço do público não permitiam ver com o mínimo de comodidade o jogo.

Jogo com bons momentos e equilibrado de amíude no ataque e na defesa. Pouca intervenção para a equipa de arbitragem que não deixou de mostrar um amarelo ao treinador do Belenenses por fazer um substituição (????) umas quantas faltinhas inconsistentes e vista grossa com fartura.

O mais curioso é o Belenenses ter-se adiantado no marcador a 8 segundos do final e o Lousada ter empatado 2 segundos depois do termo do jogo.

Assim o polo aquático não vai longe.

Se o treinador ficou chateado com os seus pupilos que há a dizer do público. Ahhh pelo menos um "furioso esteve presente".
Sem ficha técnica e dados sobre a equipa resta dizer que o nome mais gritado era o do Iuran, mas esse conheço eu faz tempo ...

Ficam os vídeos.









quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Face oculta

Nos últimos 10 dias foram colocadas em evidência as fragilidades de comunicação do Belenenses. Se a informação aos adeptos via comunicação social era deficiente, alterou-se sem que tenha atingido um nível mínimo aceitável.

A entrevista de Viana de Carvalho à "bola" é desajustada, inoportuna e tardia mas marcou um ciclo pela tomada de uma posição de força contra tudo e contra todos em defesa do treinador. Se por um lado diz que não serve para fechar o clube, por outro a falta de resultados denota a contradição. Teimar em não despedir o treinador só terá a seu favor o argumento financeiro e mal será quando o Belenenses depender de um treinador para garantir a continuidade, afinal um treinador que se mostrou uma nulidade da responsabilidade do presidente, agravada pelo bónus concedido de duas épocas. Poderá haver volta a dar? Veremos.

Viana de Carvalho não deve vir a público dizer que faz uma profunda reflexão em silêncio e decidiu... que afinal já tinha decidido, o que tinha decidido no dia em que contratou João Pereira como se pode ler na imprensa. Vamos ver se a gente se entende, decidir que está decidido o que foi decidido quando contratou o rapaz. O caro presidente anda a reinar connosco se decidiu que estava decidido foi decidir o quê? Se estava decidido para quê ponderar o que já estava decidido? Convém pensar um bocadinho antes de falar.

É certo que esta entrevista meio atabalhoada teria sido útil em termos diversos, mas mantendo a essência umas semanas antes era fundamental, como também o seria o veicular de informação útil para a CS de modo a que os rapazes pudessem vender o seu papel e não se porem a inventar, provocando desestabilização e transformando o site oficial num orgão dos desmentidos. Desnecessário e dispensável.

Verificou-se a lei da rolha ao balneário, medida que discordo pela limitação de direitos de todas as partes, mas reconheço que o ruído da asneira perturba mais que o silêncio e se isso trás mais valias será útil, mantendo sempre as minhas reservas e dúvidas no procedimento. Disciplina é uma coisa, censura é outra.

João Pereira indicia ter sido apertado e já fala um pouco melhor, faltará colocar o plantel a trabalhar mais porque o que corre é que o trabalho é muito pouco e medíocre. A eficácia é melhorada pelo treino e não serão treinos de uma ou duas horas diárias que darão tranquilidade aos adeptos. Afinal estamos a falar de ditos profissionais e enquanto tal não podem picar o ponto e ir passear.

Medidas acertadas parecem ser a contratação de nutricionista e psicóloga de modo a limitar os prejuízos e restabelecer a moral da equipa. Ao contrário da minha posição em que discordava deste tipo de profissionais em equipas "ditas" amadoras quando a equipa de futebol não tinha, neste caso e porque se trata da principal actividade do clube/SAD faz todo o sentido, como o faz o trabalho sistemático para evitar que as energias sejam descarregadas nas discotecas e bares da noite.

O que não fará falta é o presidente da AG da SAD vir a público incendiar e lançar a confusão para ter os seus 15 minutos de fama. Carlos Martins não é o presidente da AG do clube e dispensa-se bem as suas lições sobre hipotéticas soluções de resolução dos problemas da SAD, principalmente quando configuram um acto de terrorismo por alarme social desnecessário. Ora se estivesse calado faria bem melhor.

Os Belenenses andam sofridos e têem medo dos erros sucessivos, a paciência é pouca e a intolerância ao previsível fracasso vem ao de cima. Estar poisado na linha de água com o mesmo número de pontos que o penúltimo é inadmissível, portanto ou o João Pereira faz pela vida ou está o caldo entornado.

Não ultrapassar o Valenciano será de bradar aos céus mas também não é preciso o discurso da final senão gasta o argumento.

Quer queiramos ou não, o orçamento do Belenenses comparativamente com os restantes não justifica a posição, nem o plantel é inferior a quase metade das equipas, portanto resta a orientação dos responsáveis e técnicos. Resumindo é preciso trabalhar.

Convém não esquecer que é preciso melhorar a comunicação quantitativa e qualitativamente, como convém não deixar ao Deus dará a organização dos jogos e nisso há que ter presente a questão do impedimento que anda a ser anunciado por parte da PSP à limitação dos direitos de cidadania da Fúria Azul e outros associados, no que se refere ao uso de símbolos ou simples citações inerentes à esfera do clube, como a que ocorreu no Porto.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Mortal à rectaguarda

Um simples período de férias levantou o pior, desde o fim do blog a vários cenários catastróficos. Agradeço a preocupação desnecessária, mas nada disso, as questões de saude estão sob controlo, "penso eu de que" e reclamo, os assuntos de lazer podem carrear impossibilidades de escrever sobre os temas que nos assolam.

Voltarei aos temas desta última semana e meia, amanhã pela fresquinha porque estive atento e reflecti.

Sobre João Pereira mantenho que o prazo já passou e tudo o que vier é dano, mas enfim, o presidente acha que é positivo contra tudo e todos... Valha-nos a santa Paciência de um Universo avestruzo que envolve o Belenenses.

Amanhã analisarei estes 10 dias de interregno.

sábado, 7 de novembro de 2009

Belenenses 0 - P.Ferreira 3 - Inqualificável


Não há muito a dizer de modo a evitar um chorrilho de vernáculo.

A incompetência é tanta que nem sabem quem deve marcar os livres e envolveram-se em bulhas por duas vezes. Afinal nem se percebe tanta celeuma senão convertem em golo.

Não metam a mão nisto e vão ver onde vamos parar.






Tudo acontece no Restelo


Não chegou a miséria de jogo que deixou os Belenenses à beira de um ataque de nervos, senão a pouca sorte que atingiu estes dois adeptos.

Uma viatura mal travada ou destravada resolveu abandonar o parque das piscinas sem o seu condutor e deslocar-se até ao passeio exterior.



Ainda não foi corrido?

Para quando as decisões serem atempadas, evitando a última hora quando já pouco ou nada há que fazer?

Este cavalheiro foi um erro de casting há que admiti-lo quanto mais tarde pior.

Para o próximo continuem a fazer a mesma estupidez de contratar por dois anos. Fica já a sugestão.

Lata é preciso


Não gostei da forma como Rui Jorge enquanto jogador abandonou o futebol quando ainda tinha um ano de contrato para cumprir, como não aprecio as entrevistas que vai dando como se fosse empregado da lagartagem.
Apeser de lhe ter sido oferecido, recusou a oferta para treinador principal e optou por continuar a carreira nos juniores, constituindo-se como pseudo alternativa para a 2ª circular.
Trata-se de respeito pela entidade profissional que parece que o rapaz não sabe o que é.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Resposta ao abuso


COMUNICADO: Jogo no Dragão
05-11-2009 00:29

A Direcção do Clube de Futebol «Os Belenenses» foi confrontada com informação relativa a acontecimentos ocorridos no acesso dos seus adeptos ao Estádio do Dragão no passado dia 30 para assistirem ao jogo da I Liga entre FC Porto e Os Belenenses, que passa a relatar:

1. Os elementos do Núcleo Oficial de Adeptos do Clube de Futebol «Os Belenenses» denominado por Fúria Azul foi previamente informado pelas forças de segurança que não poderia ser portador de faixas ou estandartes para o interior do Estádio do Dragão com símbolos alusivos à própria Fúria Azul pelo facto de, enquanto grupo organizado de adeptos, não terem efectuado, o registo a que refere o artº 15º da Lei nº 39/2009, de 30 de Julho (e, anteriormente, a Lei nº 16/2004, de 11 de Maio) não obstante nenhum do referido material ter quaisquer “sinais com mensagens ofensivas, violentas, de carácter racista ou xenófobo, intolerantes”.

2. Sem deixar de manifestar o seu repudio pelo conteúdo discriminatório, anti-democrático e anti-constitucional dessa lei e dessa exigência, os elementos da Fúria Azul e associados do Clube de Futebol «Os Belenenses» não se apresentaram no Estádio do Dragão com quaisquer faixas ou estandartes onde estivessem inscritas palavras ou símbolos alusivos ao Núcleo.

3. Surpreendentemente, os sócios e adeptos de «Os Belenenses», membros e não membros do Núcleo Fúria Azul que se deslocaram ao Estádio do Dragão, oriundos dos mais diversos pontos do país, foram impedidos de aceder aos lugares que lhes estavam destinados na qualidade de adeptos do clube visitante, e para os quais possuíam naturalmente os respectivos títulos de ingresso, sem que deixassem no exterior as faixas e outros materiais autorizados por lei que continham exclusivamente as cores, textos e insígnias do Clube de Futebol «Os Belenenses».

Considerado que:

1. É da mais elementar liberdade individual e colectiva que cada adepto envergue livremente as cores e os símbolos do seu clube, apoiando-o, promovendo-o e divulgando-o;

2. O Clube de Futebol «Os Belenenses» é uma Instituição de Utilidade Pública Desportiva que completou recentemente 90 anos de vida, de História e é unanimemente reconhecida na Sociedade como pessoa de bem que sempre respeitou adversários e outras instituições, e sempre pugnou pelo respeito e cumprimento da lei;

3. Num jogo televisionado, em canal aberto, que teve uma audiência de mais de um milhão de telespectadores, o facto de não ter sido permitido visionar nas bancadas os seus símbolos e marca lesou irreversivelmente o Clube.

Informa a Direcção do Clube de Futebol «Os Belenenses» que já contactou as várias entidades envolvidas no sentido de obter as explicações que se impõem e apurar as devidas responsabilidades, quer na defesa do próprio clube, quer na defesa dos seus sócios e adeptos lesados, quer ainda na defesa e esclarecimento da massa associativa em geral.

Lisboa, 4 de Novembro de 2009.

A Direcção do
Clube de Futebol «Os Belenenses»

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Fascismo nunca mais

Às vezes este meu povo esquece que temos uma Polícia Fascista com símbolos Fascistas e não abdica das suas tendências Fascistas que iniciou no Estado Novo.

A Polícia cuja origem se atribuiem aos quadrilheiros, passou a Intendência à sombra da vara com que atravessou vários reinados, depois de multiplas metarmorfoses chega ao formato actual em 1935 pela mão de Salazar.

O seu símbolo de poder é normalmente designado por crachá e entrou em vigor durante o Fascismo em 1958.

Sob o seu símbolo os portugueses foram subjugados, limitados nos seus direitos, detidos quantas vezes injustamente que o digam os anti-fascistas e todos os que fizeram luta política no Estado Novo. Nenhuma outra instituição do estado mantem um símbolo Fascista como sua imagem de marca.

Vergonha nacional é a PSP apresentar-se com o seu crachá Fascista e afirmar que “A PSP tem por missão assegurar a legalidade democrática, garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos, nos termos da Constituição e da lei. (in site da PSP)”.

A ser cumprida a famosa Lei 16/2004, sua regulamentação e alterações, o primeiro simbolo a ser proíbido seria o crachá Fascista e nunca permitir que à sombra dele se cometam abusos de direitos constitucionais sobre cidadãos que pretendem usar a sua liberdade constitucional de livre associação e do direito à imagem, respeitando as reservas inerentes ao Fascismo, à xenofobia, etc que a lei fundamental consagra.

Perante a situação resta tomar uma posição firme e proibir simbolos Fascistas no espaço do Belenenses e promover o devido restabelecimento da legalidade.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Gripe A ronda o Restelo

A gripe A também chamada a gripe dos porcos, tem merecido da parte das autoridades desleixo e medidas protecionistas desadequadas, quer na recusa de fechar estabelecimento de ensino, quer na vacinação em massa da população.

Preocupada está apenas a Polícia a tomar medidas drásticas inerentes a um estado de emergência para a qual não tem competência na declaração. Isso foi constatado no estádio do dragão quando proíbiu símbolos da Fúria Azul de entrarem no recinto, afinal sempre estamos na presença de um javali que não é mais que um porco selvagem.

Pela via da propagação da doença os sr guarda-porcos protegeram os dragões da infeção, o que desconhecem é que a contaminação não é feita por símbolos e o caso será muito mais grave.

Não é assim que se combate a doença.

As notícias vão sendo mais preocupantes com a divulgação de 330 casos de crianças no universo de 1600 em Valência do Minho, números que excluiem os professores, familiares e restante população. Pela comunicação social sabemos que o surto que está a desenvolver-se naquela região é preocupante e já levou a tomadas de medidas caricatas onde se canalizam os doentes sintomáticos para zonas específicas onde se protege os funcionários vacinados e deixa os infetados misturados com suspeitos e acompanhantes ao molho e sem distanciamento mínimo.

A coisa até é atrás do “sol posto” e não deveria ser causa de preocupação e tema para artigo de opinião neste espaço, não fora que o próximo adversário do Belenenses para a Taça de Portugal, seja precisamente o S.C. Valenciano e lá em Valença do Minho.

Espera-se que a direção desenvolva todos os esforços junto da FPF para que o jogo seja jogado em campo neutro ou noutro local, no caso de ser impossível que sejam tomadas as medidas adequadas para evitar riscos extraordinários, incluindo a ausência de míudos de mãos dadas com os jogadores, tempo mínimo de permanência no local, ausência de contactos sociais, etc, etc..

Para o Belenenses que na semana passada sofreu o falecimento do menino Adriano Aragão, devido à gripe, mais que nunca precisa de acautelar nos riscos da pandemia.

sábado, 31 de outubro de 2009

Porto 1 - Belenenses 1

E deu um ponto a deslocação ao dragão. Não tanto por mérito do Belenenses, mas por demérito do Porto.

O Belenenses lá aguentou a pressão do Porto naquela toada do passa para o lado e passa para trás, desta vez com algum acerto. Esse jogo irritante do joga não joga e alivia para o adversário, deixou Jesualdo e os seus pupilos desorientados, à beira de um ataque de nervos.

De qualquer modo com o Belenenses a bola não chega lá à frente e quando chega não está lá ninguém.

Se alguma valia tem este treinador é no facto de trabalhar para o ponto, incluindo quando está a ganhar. Manifestamente não é suficiente.

Lima abriu a 2ª parte com um raro ataque que nem os riscados queriam acreditar e fez golo. Outras equipas estacionavam imediatamente o autocarro e mandavam-se para o chão aos quartos de hora, mas no Belenenses isso não se usa, como não se defendem resultados e muito menos tentar ampliá-los, apenas se defende o ponto quando podiam ser três.

Para além do metal da baliza Belenenses ter estado muito bem, Nelson, Diakité, Mano e Lima estiveram em bom plano. Pela negativa o eterno Celestino e Pereira que agora deu em meter água no banco nas barbas do árbitro.

Olegário Benquerença não complicou nem prejudicou o fraco espectáculo, talvez o ser maior mérito foi fazer o que o Belenenses já devia ter feito à muito, mandar o Pereira para a rua.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Ai Jesualdo, gostava de acreditar...

"Estou nas nuvens e em breve vou chegar ao céu", foi o que me ocorreu depois de ter ouvido Jesualdo Ferreira, treinador do Porto que recebe o Belenenses dentro de 18 horas.

Se o velho mestre não está bêbado estará a gozar comigo.

Ora vejamos o que diz:

1 - "O Belenenses é uma equipa dificil" aqui estou 100% de acordo só que não será exactamente no sentido que ele quer transmitir. Da boca dele é absurdo tal declaração.

2 - "Tem um bom treinador..." O homem não é Belenenses, não está de boa fé ou está a ser manhoso e a desejar mal ao parceiro.

3 - "Tem uma boa equipa" Para declaração nem está mal pelo valor individual, mas um treinador de referência teria que saber distinguir um grupo de bons jogadores intercalado com medíocres de uma equipa e isso é estapafúrdio.

Ou seja, está a gozar o papelinho.

Por mim gostava que mordesse a língua e tivesse razão, mas nem o nosso capitão lhe dá razão...

E eu a aturar tudo o que é empregado de mesa e adepto de outros clubes a mandar abaixo, paciência tem limites.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Turismo ao Porto


9ª jornada da Liga Porto-Belenenses e o que devia ser um jogo motivante entre grandes está reduzido a pouco mais que nada.

Os sócios e adeptos não querem o xor Pereira a fazer o que não sabe e como estão fartos primam pela ausência. Os mais indefectíveis que sabe-se lá com que sacrifício rumam ao Restelo para ver futebol, já nem metade do número da jantarada no estoril são e só com óculos de aumentar se consegue ter as três centenas.

Dos responsáveis não se vê ponta de vontade de tomar uma posição, do treinador nada se espera, salvo o arrumar da secretária, dos jogadores ao menos alguma vontade e brio profissional seria o mínimo exigível, mas nem isso.

As declarações do capitão Zé Pedro são de pôr os cabelos em pé a um careca, alguem resignado que já dá o jogo como perdido, a não ser um milagre da Senhora da Boa Hora, algo que deveria guardar para si ou colocar à SAD, ao invés di-lo para a comunicação social para que todos, desde sócios a adversários fiquem cientes.

Impõem-se uma imediata alteração na política do futebol para dentro e para fora, até porque os jogadores não são assim tão maus, são acima de tudo mal dirigidos e estão por conta própria.

Será dos poucos jogos que serão transmitidos em canal aberto ou seja visível para tudo o que é café e restaurante, mesmo assim ainda tenho que fazer um esforço de mentalização que é o meu clube que vai jogar.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Pereira, rua!

Acabou a construção e a falta dela, o planeamento não foi cumprido e a paciência esgotou-se.

Com sacrifício a deslocação ao Restelo estava na agenda, tanto mais que o adversário tinha um rosto, Fíuza, o presidente, estafeta, porta-voz, financiador, desbocado, roupeiro, enfim o faz tudo, mas reconheço que o tipo tem lata e é formiguinha. O meu recado "és lindo!!" seria um elogio e ele não percebeu.

Aos 7 minutos estava traçado o designio quando uma parvoíve levou que um gilista isolado de baliza aberta rematasse ao barrote... foi o inicio do fim que estava traçado por um pseudo-empreiteiro.

O resto foi um golo azul que mais parecia um alívio para contar para a estatística que acertou (sem retirar mérito ao Lima) que a ser verdadeiro muito mais teria produzido.

Depois uma catástrofe a todos os níveis, jogo para trás, passes errados para a frente e alívios para o adversário.

A estratégia não é melhor que a do treinador de bancada mais cego, a tática é defender o 0-0 e o posicionamento o lugar para que assinaram, assim não dá.

Para mim não volto a escrever sobre este pseudo-treinador em abono da minha sanidade mental. Estará nas mãos de Miguel Ferreira ou Viana de Carvalho pôr a mão nisto e neste momento para mim passou para o plano político/económico ao invés do desportivo.

Se Jesus era um boçal que lia bem o jogo, mas trabalhava para o 10º lugar (abaixo do meio da tabela) este Pereira andou a dormir no curso que lhe conferiu o grau e é uma nódoa.

Pagar para ver esta "coisa" não me verão de novo, salvo o que está pago e se tiver tempo. Para o ano que vem não verei de certeza, nem na tv, pelo menos enquanto ele lá estiver.
Coração tem limites.

Ficam os meus últimos videos do trabalho do homenzinho.








Cabidela para o jantar

O jogo deste final de tarde, Belenenses-Gil Vicente para a Taça da Liga, arrasta divergências e ódios antigos que tiveram o início com o "caso Mateus".

Do anonimato ou do raro apontamento jornalístico, António Fiúza passou num ápice a líder na verborreia administrativa-futebolística com tempo de antena por cada asneira ou ataque gratuito ao Belenenses ou ao seu homólogo Cabral Ferreira. Defendia a sua chico-espertice convertida em manobra anti-regulamentar lixando o Lixa e os regulamentos de uma penada. Se ninguém lhe passava cartucho por estar atrás do sol posto, ninguém se aperceberia das suas falcatruas de cacique local. Errado.

Defendeu-se como pôde e às suas cores o que abona em seu favor, mas não esteve bem quando lançou ataques pessoais a Cabral Ferreira, permitiu a destruição de símbolos adversários sem reprovação ou no culminar aceitou impávido e sereno o achincalhar da memória do seu rival entretanto falecido. Por muita razão que lhe assista e creio que não será o caso, mesmo assim, nunca seria de tolerar ou manter passividade perante ofensas a outro clube e seus dirigentes do modo como foi feito.

Na prática são águas passadas ou quase e a longa prática de escrever sobre Fiúza coloca-o à beira de um amigalhaço do qual conhecemos as suas capacidades e muitos defeitos. Afinal é ele o Gil Vicente porque sem ele o Gil definhava, isso se viu na deserção ao processo eleitoral que por lá andou. Fiúza faz falta e é a alma do Gil Vicente. O Gil Vicente faz falta ao futebol se expurgar as inclinações para a palhaçada.

Logo teremos um confronto entre clubes que estão de relações cortadas e é pena, digo pena porque um pedido de desculpas poderia resolver muita coisa.

Cabral Ferreira absteve-se sempre de lançar processos em catadupa contra o clube e seu presidente e nunca deixou de dizer que era um bom homem que tinha paixão pelo futebol e sempre o tinha recebido bem antes do "caso", como também recebia outros dirigentes. Lamento que a reprocidade de reconhecimento são se verifique, mas ainda estamos a tempo de recuar.

No meio disto tudo não há croquetes, resta saber se temos cabidela para o jantar, se o galo é de Barcelos ou é mesmo do galo Pereira do Restelo. Curioso lá irei estar.

A ver vamos.

sábado, 24 de outubro de 2009

Belenenses 0 - Olhanense 0 - Devia ser um jogo de futebol


O futebol para os lados do Restelo mais parece um exercício de ponto cruz com mais cruz que ponto. Exibições paupérrimas que se contentam com o pontinho. O discurso da construção não serve porque quem constrói vai fazendo evoluir a obra e isso não se vê.

Pouco se arrisca e o treinador limita-se a fazer troca por troca posicionais tardiamente ou conforme a marcha dos amarelos. Jogar contra 10 merece a mesma estratégia que com 11. Assobios e lenços brancos manifestam o mal estar que assola os poucos adeptos que insistem em frequentar o estádio. Entre muitos adjectivos que se ouviam um resumiu a questão "é apenas um bom rapaz que veste bem" coisa manifestamente pouca para um treinador do Belenenses.





Escrever sobre o jogo é um exercício macabro, Nelson esteve bem como é costume, Diakité e Mano justificaram o ordenado. A anulação do golo por fora de jogo ao Olhanense deixou dúvidas que nem as imagens esclarecem, portanto, foi assinalado fora de jogo está resolvido e nada a apontar à arbitragem. Sobre o não jogo vale dizer, "joguem à bola".

Alguma tensão existia desde o último jogo para a Taça de Portugal por a Polícia ter avisado que proibia a utilização de simbolos da fúria azul neste jogo. A direção alegadamente aceitou o facto na reunião de preparação do espectáculo e a semana foi agitada com tomadas de posição face a uma prepotência policial anunciada.
Vingou o bom senso por parte da Polícia que compareceu com um efectivo reduzido, mas mais que suficiente para cumprir a missão, onde a correção foi uma constante e até alguma simpatia dos agentes. Não houve provocação gratuita e todos se respeitaram. Os jogos no Restelo e por parte dos Belenenses nunca são um verdadeiro problema das autoridades e a tolerância pacifica pelo que não vale a pena elevar os níveis de exigência que esses sim podem ser factores geradores de violência.
A título de curiosidade, muitas camisolas da fúria pontuavam pelo Restelo, mais que o habitual e a esmagadora maioria nem estavam na zona dos animadores que não pouparam as gargantas. De notar que muitas camisolas do clube foram substituídas pelas da Fúria.


segunda-feira, 19 de outubro de 2009

À atenção do Nelson

domingo, 18 de outubro de 2009

Belenenses 3 Oriental 1 - 3ª eliminatória


A vontade de ir ao estádio do Restelo era pouca pelo recente futebol praticado pela equipa e o amorfismo deste treinador. Uma caldeirada prevista à mais de um mês estava em perigo no caso de metade dos comensais rumarem ao Restelo. Estava em causa o jogo para a taça entre o Belenenses e o Oriental, clube por onde iria actuar um dos gémeos que connosco jogavam à bola aos sábados nos campos dos “meninos da Luz”. Dos convivas alguns são assíduos do Restelo e dois deles o primeiro clube nem é o Belenenses, não é por isso que não envergam as cores com agrado, não há como gostar de futebol e para isso sujeitarmo-nos à sandocha e bejeca para poder ver o Belenenses a jogar. Acontece que neste jogo um dos nossos benjamins das futeboladas no colégio militar ia jogar contra o Belenenses e isso deixava uma marca de dualismo interior que nos impelia a torçer pelo Belenenses e caso acontecesse, a gritar golo se o rapaz marcasse. Fora de questão apoiar o Oriental.

Divididas as águas, uns poucos foram para o Restelo e outros para a caldeirada mas com o rádio na orelha a partir do meio do repasto.

Convém previamente explicar que a direção de “os Belenenses” resolveu colocar preço único de 7,5 euros, valor que esta época não tinha sido atingido para qualquer jogo com clubes da liga, algo que demonstra a pouca vontade de ter gente a assistir, tendo em conta a hora do jogo a um domingo uma vez que é um dia de eleição para almoços familiares e festivos. Pior que isso, a impossibilidade de podermos juntar um grupo decente porque a quota azul não podia ter acompanhantes (apesar de pagarem todos o bilhete) e o “pessoal” não estar disposto a ver meio jogo com as “barracas” à frente na bancada inferior. Não parece que a direção se preocupe com o facto de o jogo não ser visivel da bancada inferior, mas neste caso façam o favor de cobrar meio bilhete ou 4/6 conforme a área que se vê do relvado.

Decididamente e salvo os desertores da caldeirada não fomos e por falta de transmissão foi à moda antiga. Dos comensais ninguém se arrependeu.

Num jogo que era para a “tareia”, tardiamente se fez o primeiro golo e pior, sofreu-se outro. O relato dava como melhor o Oriental e a malta dava numa de peixinho e camarão, no branco ou na cerveja para nem acompanhar.

Na segunda parte e depois do café veio a expulsão do Oriental a abrir, não foi descrita e outra expulsão e um golo de um defesa (Diakité) o tema veio com o facto de ter que ser a defesa a resolver e o Nelson no jogo anterior ter que ir à área do opositor, discutiu-se os valores do Belenenses, e veio a 2ª expulsão e novo golo já com o Oriental da 2ª divisão com oito em campo.

Ninguém ficou com pena de não ter ido ao Restelo e isso é mau. Na rádio ouvia-se que estavam 500 espectadores divididos a meio/meio, terá sido para isso que meteram os bilhetes àquele preço e impediram que os grupos se juntassem?

Assunto que não mereceu discordância e foi lateral reportou-se ao facto de João Pereira ser um bluff e já devia ter sido despachado.

Notícia foi o facto de se constar que a SAD vai mandar ao jantar do casino do estoril a equipa em véspera de jogo. A revolta dos sócios e adeptos foi grande, mas sem suporte para contrariar valeu algum bom senso para contrariar essa informação, mas devo confessar que não tenho nenhuma indicação nesse ou noutro sentido, apenas a minha crença que esta direção/SAD não cometerá esse erro e saberá o que anda a fazer.

Vencer o Oriental com o coração nas mãos e contra 8 é algo que não me tranquiliza.
Nota corretiva: O jogo Belenenses-Olhanense realiza-se 6ª feira 23 às 20h15 ou seja antes do jantar no casino.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Assim não dá

O futebol enquanto jogo é para ganhar seja em competição ou por lazer. Um equipa entra em campo com um único fito, a vitória e nesse propósito coloca todo o empenho técnico e tático. O objectivo é o golo e esse define pela maior quantidade o vencedor.

A paixão e o clima emotivo que se gera em torno de uma equipa, mais que uma expetativa encerra a crença na vitória. Será nessa euforia suportada pelos resultados positivos que se fundam os clubes.

Pode-se falar na necessidade de investir, mas esse desidrato não é crucial ou proporcional aos resultados, como se pode falar em apoio dos adeptos que não será determinante e tal como o investimento ajudam mas não são os únicos fatores.

Direi então que o que falta no Belenenses é vontade de vencer e pouca vontade de trabalhar para a vitória, associada a um defeciente clima de exigência e rigor para com os jogadores e equipa técnica, por parte dos responsáveis do clube.

O resultado será a desmotivação do plantel que arrasta para a massa adepta.

Quando a informação regular que mantém o interesse não surge, quando falta a vontade de vencer ou existe contentamento com o empate e pior quando é aceite a derrota, é a falência do sistema que em espiral desce dos associados até ao plantel que se acomoda.

Não vale a pena pedir a cabeça de árbitros quando não foi feito o trabalho de casa anteriormente, como não será desculpa as lesões e as más estratégias.

O futebol é emoção e ninguém ou muito poucos aceitam ver a sua crença ser reduzida a nada.

Será a culpa do treinador? Até pode ser, mas será em primeiro plano da má gestão que os responsáveis da SAD fazem das emoções, da exigência e do rigor no trabalho desenvolvido.

Os resultados mais visiveis serão o definhamento do clube,a perda de associados e de receitas, etc, etc.

Será difícil entender isto?

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Belenenses 0 Nacional 1 Estava escrito


Pouco haverá a dizer quando está tudo errado.

O treinador não treina, os jogadores não jogam e os adeptos não põem lá os pés.

Às críticas de não haver "um fio de jogo" sucedem as de não haver eficácia e qualidade de passe. Assim é doloroso ir ao Restelo, quando um punhado de adeptos corre mais para lá que os jogadores em campo.

Será pressuposto, salvo melhor teoria, que os lances de bola parada tenham uma elevada eficácia, até porque podem ser ensaiados à exaustão nos treinos. No Belenenses livres e cantos é miragem o resultado em golo, mais, agora vem a moda dos cantos curtos que nunca vi esta equipa concretizar nenhum.

Que se passa? Então, isto não é uma ameaça? (assim rezava o poema revolucionário)

Não se poderá atribuir os resultados ao excesso de folgas e treinos ligeiros, distantes da política de Jorge Jesus que o diga o plantel do Benfica a quem o rapaz acertou o passo, mas de treino a mais é que não se afigura de todo.

A direção estará mais preocupada com o jantar no casino que com o futebol, lá terá as suas razões, mas não me convenço da bondade de política que nos deixa a molhar o rabo na linha de água.

Com isto tudo até já temo o Oriental e podem ter a certeza que se fôr ao estádio deverá ser a primeira vez que não estarei lá por vontade de ver o Belenenses, mas a de ver um grande amigo de longa data que joga pelo Oriental. Claro que não vou torcer pelo Oriental (seria sacrilégio e contra a minha essência) mas darei especial atenção se o rapaz jogar e se tiver que perder que seja aos pés dele, até porque vou ter que o aturar durante muito tempo.

domingo, 11 de outubro de 2009

Belenenses - Nacional sem vontade



Amanhã segunda-feira pelas 20h15 o Belenenses recebe o Nacional a contar para a 6ª jornada do campeonato que se encontra em atraso.

Quotas suplementares a 5 euros, acompanhantes a 10 e público em geral de 10 a 20 euros.

Os treinadores já disseram de sua justiça e na prática trocaram galhardetes de mútuo respeito e tudo na boa. Nada de empolamentos e garra nas declarações, nem um fiozinho de convição na vitória, será como que um passeio pela torre de Belém.

Ambas as equipas estão limitadas e com jogadores ao serviço das seleções, o que pelo nosso lado nos retira Fredy e Yontcha.

João Pereira convocou Assis, Nelson, Diakité, Rodrigo Arroz, Beto, Cândido Costa, Gavilan, André Almeida, Devic, Barge, José Pedro, Tiago Gomes, Celestino, Filipe Bastos, Ivan, Lima, Pelé, Freddy Adu, Igor e Dani.

À falta de apetite das equipas cabe saber se o público também não tem vontade de aparecer.


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Comparar o Belenenses

Depois do convite para integrar a I Liga, um contingente de piadas e bocas caíu sobre o Restelo, “é mais fácil o Portimonense ser campeão que o Belenenses descer de divisão” ou outras expressões do mesmo tipo até davam vontade de sorrir.

Entretanto veio um ataque despropositado de um tal Bonifácio, cuja história passou por um pedido de desculpas do seu chefe. Não houve cão nem gato que não comentasse o sucedido.

Volta a estar o Belenenses na ordem do dia com comparações um pouco mais sofisticadas. Fala-se em “belenização”, afere-se o Sporting pelo Belenenses ou tecem-se comparações com partidos políticos derrotados. Falta saber se será por inveja ou reconhecimento.

Depois de termos sido gozados, chegou a vez de gozarem com os outros à nossa conta.

Nós por cá “lá vamos cantando e rindo...” satisfeitos com a conquista do pontinho conseguido em Alvalade como se de um campeonato se tratasse, metendo uma venda nos olhos para não ver que estamos de novo colados à linha de água.

Esta semana descobriu-se o paintball, modalidade onde pontuam os ecléticos Benfica e Sporting (este último é o que se aproxima de nós caído do céu) e ainda o Beira-Mar. Beira-Mar que se encontra numa situação de desespero, malgrado os esforços do histórico Mano Nunes, onde alguns sócios e dirigentes lançaram penhoras sobre o clube. A actual situação em que a gestão corrente é assegurada pelo presidente da AG, conhecerá o seu epílogo este mês e poderá passar por uma comissão liquidatária. Seria bom acompanhar este processo para que se tenha a noção dos riscos que o Belenenses pode correr.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Paintball é azul?

Muito estranho ou no mínimo estranho esta notícia do site oficial que anuncia a nova secção de PAINTBALL.

Num clube de futebol carece de sentido e justificação a criação de secções díspares da sua essência.

O conteúdo da notícia ´preocupante:

“Chegaram a bom porto as conversações de um grupo de praticantes de paintball, adeptos do clube, que apresentaram à Direcção um projecto para que passem a defender o nome do Clube de Futebol «Os Belenenses» nas competições nacionais.


A partir de agora, «Os Belenenses» passam a estar representados numa modalidade em fase expansão, integrada na categoria dos chamados desportos radicais, como se pode comprovar já pela adesão de novos associados azuis mesmo antes de ser público este passo.

Com o emblema da Cruz de Cristo presente a partir de agora no Paintball, em que todas as despesas serão suportadas pelos próprios atletas, o Clube de Futebol «Os Belenenses» junta-se assim a Benfica, Sporting e Beira-Mar nas competições internas.”

E questiono-me sobre a legitimidade de qualquer direção constituir novas seções sem autorização da Assembleia Geral e do respectivo orçamento.

O bom nome do Belenenses tem uma marca e legitimidade suficiente para dispensar a sua guarda a uma seção de bolinhas de tinta de brincadeira, como dispensa as patacoadas de outros clubes onde o destempero é dominante.

A marca Belenenses tem um valor que não pode ser cedido para brincadeiras ou jogos infantis elevadas a seção.

Daria para perguntar se a Fúria Azul irá às provas com colete à prova de bala e capacete com viseira a gritar “Belem” atrás da equipa pelas florestas artificiais (???).

Como poderiamos questionar um ilimitado universo de pontos que reduzem este divertimento de “falsos tropas” a uma brincadeira de crianças com regras duvidosas numa pressuposta estratégia ridícula.

Desportos radicais poderiam fazer sentido se falarmos em práticas do tipo escalada ou “rapel” nas falésias do Restelo. Iria mais longe se associasse o paraquedismo e isso fosse móbil de espectáculo nos eventos de futebol, mas no paintball????

Não ter custos é para rir ou chorar e dará para perguntar quais as mais valias?

Quantos sócios se obtem com isso?

Quanto é pago com a marca Belenenses cedida ou isso não vale um cêntimo?

Porque é que a criação se seções não é levada à AG numa altura em que é imperativo a sua redução?

Será que estava nalguma das entrelinhas do programa eleitoral?

Mas afinal o que é que o paintball tem a ver com o futebol?

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Espanto...

Sporting 0 - Belenenses 0
Aconteceu no domingo a nossa deslocação a Alvalade por força do calendário do campeonato, num cenário que desde à muito nos tem sido desfavorável, com forte moldura leonina e cerca de uma centena de adeptos azuis concentrados no lugar de estilo.

Sem grandes deslises arbitrais de Xistra e seus ajudantes, viu-se um Sporting fraco sem soluções, com medo do mal maior, mas o que deixa alguma perturbação é o facto de o Belenenses não ter querido ir mais longe.

Bem estiveram os guarda-redes de ambos os lados em momentos equivalentes, Nelson negando o golo a Grimi e Rui Patrício a desviar no limite uma grande jogada de Zé Pedro.



Da parte do Sporting o "pau" resolvia que o digam o avançado Yontcha e o defesa Tiago Gomes, os quais dois dias depois continuam entregues ao departamento clínico, enquanto por parte do Belenenses vimos o chuto para o ar, a entrega gratuita ao adversário e alguns riscos desnecessários, como a "faena" de Beto que não resultou em zona proíbida, da qual não deu mal maior por atenção de Nelson.

A substituição tardia e falta de abertura de jogo, demonstram que o resultado servia para o treinador, aliás, como o demonstrou nas declarações.

O Belenenses não teve ambição.

Seis pontos à 7ª jornada (tem um jogo de atraso) é pouco para o Belenenses, não condiz com o nosso passado, não está em sintonia com o que os sócios e adeptos querem e não serão discursos miserabilistas dos responsáveis que nos farão pensar o contrário.

Enquanto os adeptos do clube rival assobiam e estão danados (têm mais quatro pontos que nós), por cá o treinador fica todo contente e a direção sorridente. Gente que pensa "pecanino" pode estar satisfeita, mas será que a massa adepta que acorreu ao Jamor e muitos outros que não tiveram lugar e podiam voltar ao nosso seio pensam o mesmo?

Haja ambição!

Recomeçando...

Depois do projecto "Futuro Belenenses" que durou alguns anos ter terminado, novo espaço decidi lançar após um interregno longo, mas que de algum modo lhe dá sequência, por força do vício e do incentivo de alguns consócios que muito se têm queixado do deserto em que caíu a blogosfera.

Curiosamente num período que nos é grato, pelo aniversário dos 90 anos do Clube de Futebol os Belenenses e pelo 25º aniversário da Fúria Azul, cujas celebrações estão em curso.

Saudações para quem se orgulha e sofre com o Belenenses,

segunda-feira, 30 de março de 2009

À procura do graal

.
Ao incómodo gerado pelos insucessos desportivos acresce os recados e graçolas de muitos adeptos e sócios de outras filiações em tom pouco cordato, num misto de pena e coitadinho. Estou farto e o conhecimento sobre a minha pendência futebolística leva a comentários com os quais não convivo bem.

De alguma forma tento aliviar a pressão, invocando o Gil Vicente de onde está a fugir o Fíuza perante o deserto de candidatos à direcção, como noutra frente, depois de martelar os lagartos com os 12-1 contra uma perdida muito menos espalhafatosa e pouco convincente perante o mesmo adversário, Bayern. Lagartos que dão à estampa com direito a telejornal a sua incapacidade de gerar um candidato à direcção...

Será evidente que o mal dos outros não me faz feliz, apenas serve de argumento para afastar as críticas sufocantes de um mal que nada tem de relação. A insinuação da inevitável descida de divisão implica reacção, mais de revolta que crença na possibilidade.

É certo que estamos em crise a nível mundial, num ano de eleições para vários orgãos nacionais e europeus (fora os outros) e parece que sou importante para tudo segundo os meus amigos, entre o colar cartazes a definição de programas. Errado, não me apetece, não tenho condições físicas e psíquicas para aceitar desafios enquanto não resolver algumas pendências.

Já aqui abordei a questão referente às eleições do Belenenses e não quero voltar ao assunto neste espaço.

Preocupa-me e de momento o desfecho dos estatutos onde não deverei estar presente na próxima sessão por impossibilidade prevista, uma vez que serão ser analisadas algumas questões importantes para o futuro do clube à luz da abertura aos novos e da gestão competente do clube.

A minha presença não será elemento decisivo, tal como nenhum sócio fará a diferença e incluirá algo na armadilha criada, mas um pode fazer a diferença na não aprovação dos disparates que querem fazer passar nas mudanças preparadas. Por alguma razão escondida ou não manifestada se suspendeu a última sessão e não foi por falta de QUÓRUM, uma vez que se trataria de uma aberração legal.

Ora, porque é que me preocupo com os estatutos? porque eles são o documento base de orientação do clube e será com eles que depois destas eleições não teremos as famigeradas procurações, teremos três anos de mandato e outras regras que estão em discussão, ou seja, algum traço de modernidade apesar de ténue que abrirá portas se o quiserem fazer.

A proposta foi má globalmente e manhosa na gestão dos interesses do Conselho Geral que passariam a controlar de pleno direito o clube e só um controlo nesta fase final poderá salvar os estatutos.

Do resto que se prende às eleições não posso dizer seja o que fôr nem à laia de comentário. Não conheço qualquer intenção de cumprir o orçamento eventualmente aprovado nem as medidas que obriguem ao seu cumprimento, como do que já foi dito e escrito, ninguém dá qualquer proposta para recuperar sócios, receitas, patrocinios, etc... Reduzir as despesas só pode significar reduzir o inexistente papel higiénico ou mexer nas modalidades... ahhhh mas aqui não se pode mexer !!!!! Mas o futebol pode estar em risco...

Pois, resta dizer que eu não quero continuar a escrever sobre o assunto, tal como os candidatos não querem falar no assunto... Para dizer que é preciso ter menos despesa e mais receita, até o arrumador do quarteirão sabe!!!

Preocupado mesmo estou com o resultado em Coimbra, mas se conseguir antes disso ainda farei uma análise ao futebol em termos gerais.

Pessoalmente entendo que este projecto "blog futuro Belenenses" devia ter várias vertentes concordantes e nesse sentido chegou a ter oito colaboradores fora os pontuais. Actualmente está reduzido a um chamado "monoblog" onde as minhas lacunas temporais são repercutidas. Várias intenções que passaram por apoio a modalidades amadoras, como sempre defendi, estiveram interessadas em o manter vivo, designadamente, o volei e o triatlo que inclusivelmente tem perfil aberto no blog, mas concluo pela falta de volume e regularidade na informação ao ponto de na noite anterior ter assistido a um 2º lugar da Anais Moniz no Ribatejo a contar para o Nacional e nada foi divulgado, ora se o preceito é só mandar cá para fora uns anúncios é pouco, muito pouco.

Assim sendo, aos interessados e preocupados com o património do clube do que à blogosfera se refere, o blog e caso não haja interesse efectivo em mantê-lo terminará, abrindo espaço a outro(s) projectos fora da "dedicação ao Belenenses" sem que a relação seja de eliminação do tema. Aos interessados na cópia ou réplica sugerimos que a façam nos próximos dias.

quarta-feira, 25 de março de 2009

Ai, a minha vida !!!

.
Na penúltima eleição para a direcção assumi o apoio declarado previamente a uma candidatura. Justifiquei e dei o apoio que me foi possivel sem perder de vista a divulgação equilibrada das restantes. A disputa valeu-me vários convites a saber, delegado da candidatura de Cabral Ferreira, elemento da sua comissão de estudos e projectos enunciada no programa e para cúmulo, apesar de conhecida a minha posição, um convite de Duarte Ferreira para a sua comissão de revisão de estatutos.

À excepção da designação de delegado para o qual fui telefonicamente convocado pelo presidente da AG da altura, Engº Machado Rodrigues, vim mais tarde a colaborar em outras missões gratuitamente e mais que isso suportando custos e taxas devidos pelo clube e relacionados com interesses da direcção.

Lamento que determinados consócios à revelia da realidade, tivessem a distinta lata de criar labéus e acusassem interesses inexistentes sem que se conheça o potencial do seu mecenato efectivo que funcione como bitola.

Nestas eleições manifestei o meu desejo de não me envolver, apesar de ter esse direito enquanto sócio, inclusivamente o propósito de me afastar dos actos políticos da vida clubística, mantendo a questão dos estatutos à margem de tal intenção por razões de coerência com o que defendo desde há muito.

Fiquei especialmente agradado com o pré-anúncio de Viana da Carvalho, ao qual enderecei parabéns pessoais, na mesma sequência que já nas anteriores eleições tinha reclamado uma posição de Miguel Ferreira sem êxito infelizmente.

Todavia, não podia deixar de ser sensível a determinados chamamentos de consócios pelos quais reconheço capacidades e com os quais será difícil dizer não, entre eles o meu amigo pessoal Marques da Silva.

Não deixo os meus amigos "no meio da praça" e senti-me na obrigação de aceitar o convite para integrar a lista de Marques da Silva, assumindo que era para o que desse e viesse, mas sendo partidário de uma plataforma de entendimento para candidaturas fundidas pelo diálogo e intenções programáticas, evitando a dispersão de votos com os riscos inerentes.

Marques da Silva entendeu desistir por invocadas pressões, as quais não discutimos mas se extrapolar as que recebi sem ter sido anunciado o meu nome, incluindo ameaças é um maná.

Ora, vem agora um contacto de Viana de Carvalho sobre posições nas piscinas e em boa verdade sem perceber porquê, mas as chamadas caiem sempre nos momentos menos convenientes e as tentativas de retomar os temas são sempre infrutíferas, pois bem:

1-A minha posição perante as eleições não está definida, não vou comparecer em nenhuma sessão de esclarecimento/jantar e acompanharei à distância as declarações.

2-Tenho amigos/conhecidos pessoais com boas relações em ambas as candidaturas que para além do respeito e consideração merecem uma palavra.

3-Nas eleições é normal existir uma figura de proa suportada por outras que a acompanham, neste caso, devo dizer que quer a nível de intenções ou de secundários elas equivalem-se, apesar de não conhecer o Barbosa e do que me chega prega 10 mentiras em 5 palavras e ter uma relação cordial (pelos vistos tem dias) com Viana de Carvalho.

4-Ainda nenhum "ofereceu" nada que não fosse plasmado na vontade de Marques da Silva e para quem o conhece, no seu enunciado de anos, tal como no meu.

5-Os sócios afectos às piscinas que estão comigo não deverão votar, como é frequente ou sempre que não se revêem numa candidatura por alguém do meio empenhado na vida do clube. Pois é uma constactação óbvia que nenhum dos membros das listas é conhecido deles ou eventualmente conhece as necessidades dos praticantes. É certo que falo de perto de uma centena de praticantes ou seja 10% dos frequentadores, mesmo assim cerca de 300 votos segundo os actuais estatutos e não de um número global dos quais muitos nem votam.

A estes sócios que nem sentem o clube com a tradicional paixão, dificilmente votarão sem que haja um motivo forte que seja no interesse deles ou em apoio a em deles.

6-As pressões ou campanhas de membros do CG ou afectos de nada valerão em função de um candidato.

Resumindo, não existe qualquer campanha da minha parte e com excepção da deslocação infrutífera à sessão da AG dos estatutos que foi cancelada e da minha deslocação às piscinas na 2ª feira, em mais de uma semana não estive no Restelo. É falso e abusivo usar o meu nome para indicar que apoio A ou B.

Como disse ao meu pré-candidato antes de ele se ter decidido, eu só preciso dos resultados do Belenenses em futebol por paixão, das piscinas e não é indispensável (actualmente tenho acesso a 3 inclusivé) de resto não tenho qualquer interesse, tal como o Belenenses não precisa de mim. Não fossem as minhas deslocações, passava a sócio correspondente que era um estalar de dedos.

Barbosa não me conhece e Viana de Carvalho não precisa de se preocupar comigo porque estou fora. Portanto, senão querem falar comigo nem precisam de telefonar.

Estoiro obriga a suspensão do BFB

.
O Blog Futuro Belenenses sofreu de problemas técnicos com o colapso de um computador quando estava a editar o código do blog. A avaria apesar de poder ser colmatada com recurso a segurança, numa primeira fase houve que recorrer ao fecho ao público do blog para reposição de seguranças que estavam no computador que "pifou" e só a recuperação do disco que foi agora concretizada tornou possível.

Lamentamos o facto e agradeço a todos os que manifestaram a surpresa, mesmo desagrado pelo fecho/suspenção e que reclamaram registando interesse que o Blog se mantivesse disponivel, independentemente de por qualquer motivo entendesse ser suspenso ou o terminar.

Vamos ver se existem condições para retomar alguma publicação regular em breve, uma vez que a disponibilidade pessoal não é grande e muito há a recuperar/reinstalar.


A ver vamos.

domingo, 8 de março de 2009

Viana de Carvalho - O candidato


São vários os leitores e amigos que me têem escrito sobre a candidatura de Viana de Carvalho, a sua personalidade, capacidade e na busca de informação de vária ordem.

Sobre as notícias que o dão como candidato estão nos jornais e não há muito a dizer, não é conhecido o programa nem a equipa e sobre as questões relacionadas da falta de reacção da blogosfera nada posso adiantar uma vez que ando afastado das lides por razões pessoais e profissionais.

O trajecto recente do economista Viana de Carvalho no Belenenses é conhecido para os mais atentos. Foi candidato derrotado como financeiro de Mendes Palitos e Cabral Ferreira reconheceu competência para o chamar para o 2º mandato, deslocando o anterior Ricardo Schedel para a SAD.

Enquanto financeiro de Cabral Ferreira conseguiu controlar a situação e as suas contas de 2007 aprovadas recentemente até absorveram despesas desde o tempo do Matias e provisões estranhas que no total rondam 1,3 milhões. No período a que se refere a época Ricardo Schedel conseguiu que a SAD tivesse resultado positivo que só não foi real pela redução de receitas devidas em manobras já aqui explicadas.

Viana de Carvalho foi um dos membros da transição escolhidos por Anes que seguraram o clube até às eleições.

É conhecida a sua intransigência na não alienação do património do Belenenses.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Hora de despertar


No último ano o desnorte apoderou-se do Belenenses, o clube ficou orfão de Cabral Ferreira e nunca mais se encontrou pela incapacidade nata da cultura vigente.

Mantêem-se conceitos despropositados em nome do Clube quando esses conceitos apenas o atrofiam. Entre eles a obrigatoriedade do amadorismo nos orgãos sociais de uma associação que movimenta directa ou indirectamente 18 milhões de euros/ano, promiscuídade entre orgãos com especial enfoque nos executivos, enfim uma panóplia de factores obstructivos a uma gestão moderna e consciente.

Um clube de futebol tem no seu objecto principal a gestão de paixões e estas marcam o sucesso ou insucesso de uma direcção conforme os resultados desportivos. Não entender isto é a falência do modelo seja ele qual fôr.

A gestão financeira e a gestão desportiva do futebol são as duas pedras basilares que interagem nos resultados finais. Os maus resultados desportivos reduzem as receitas e com um déficit destas menos resultados desportivos se obterão entrando numa espiral suícida.

Os adeptos não afluiem para ver derrotas, os sócios abandonam e a capacidade de regeneração diminui. Não é solução enveredar por uma política de porta aberta porque a medida desamparada de resultados desportivos é mais destrutiva que benéfica.

A cegueira desta CG não a leva a perceber que a piscina olímpica deve ser colocada em funcionamento rapidamente sob pena de se perder uma fonte de receita, aumento de custos com a modalidade natação e afastamento de sócios praticantes. Elementos na CG afirmam categoriamente que as piscinas estão em funcionamento o que se não for puro desconhecimento com surdez, significava mau gosto e incompetência total.

A actual situação do clube é complicada fruto de uma Comissão de Gestão extra-estatutária que agravou de sobremaneira os problemas provocados por uma direcção incapaz. Direcção essa que em outras circunstâncias nunca vingaria pelos célebres conceitos de "paraquedismo" que os estatutos defendem a todo o custo. Haverá responsáveis mas não importa agora chamá-los a terreiro.

O que urge é disciplinar e motivar o balneário, exigindo a devida contrapartida de tudo o que é pago ou se fica a dever, obrigando ao respeito pelo clube e honrar a entidade que paga. Não é não produzindo provocando graves prejuízos que se pode reclamar sem mais. Cabe a esta CG tomar todas as medidas tendentes a terminar com a apatia e falta de produção nítida de treinadores e jogadores. São profissionais têem que cumprir para que se possa cumprir com eles e isto que fique bem claro.

A questão das modalidades terá que ser revista imediatamente, inibindo qualquer compromisso para além desta época, remetendo à próxima direcção o direito de continuar ou não com as que entender. É um grave abuso estar a contractualizar por dois anos neste momento quando isso nem é feito no futebol.

Sobre os estatutos que estão em cima da mesa, ainda será cedo para se concluír pela mais valia da sua alteração, sendo certo que na AG em particular dos membros que se têm empenhado na revisão, tudo têem feito para produzir o documento possível depois de tanta falácia proposta pela Comissão de Revisão que em vez de plasmar o sentimento geral, rendeu-se a influências e pressões ilegítimas que em nada servem o Belenenses. Apesar da sua dedicação e empenho o resultado do trabalho produzido e apresentado é insuficiente, tal como a sua intransigência em pouco abona na lisura de procedimentos.


Jorge Coroado faz o que sabe e o que pode entre a confusão. Aqui publicamente quero expressar o meu apreço a alguém que esperava ter um mandato de dois anos sossegado e quase despercebido e infelizmente teve de assumir o controlo do clube por duas vezes por fuga de outros, com a agravante de se ver envolvido numa complicada revisão estatutária, onde até os vogais chegaram a deixá-lo sózinho. Pelo facto de se ter mantido firme e cumprido mais que o seu dever merece a minha chapelada. (Jorge, não tens trazido as tuas amigas de cachecol lagarto desde os 0-5 e devias trazê-las para compensar a distracção).

Como em breve começará a pré-campanha e a voz deve ser dada aos candidatos, importa alertar em tempo para o mau caminho que o Belenenses está percorrer e que pode comprometer o clube a breve trecho. Esperemos que a CG cumpra com a sua função o que não tem acontecido.